Um escritor que me faz bem!!! BEM!!!!!

ERIC-EMMANUEL SCHMITT  (…) A sua recusa da introspecção crua e totalmente anti-metafísica coloca-o à margem. Porquê essa escolha?  Por pudor e por uma questão de estilo. Acho que é falando pouco que se diz muito. Esta espécie de contenção é uma maneira de dar margem de manobra ao outro. Sempre quis falar do homem universal. […]