Pelo ar

Não digam sobre a minha amizade com o vento

que venho ao quintal falar um pouco com o ar que passa, só para saber o que vai no mundo, ver as cores que se usam, enviar o meu cheiro para longe, sorrir às rolas do loureiro e lembrar as folhas verdes que ficaram secas.

Xuuu… Não me denunciem, por favor. Já só me resta essa palavra que lanço ao ar,
último pedacinho de amizade.

Eu estou aqui.
Ocupo um espaço minguante.
Já só é o vento que me faz sair.

Não digam nada, eu sou feliz assim.
Aqui dentro invento-me.
Só preciso de um pouquinho de vento para um pequenino voo galináceo e depois volto para dentro. Só isso.

Mas que não se saiba.
Vai ficar feio.
Até o vento.
Porque tudo o que é meu é feio.
E eu, tão bela, tão amada, tenho de, devo, redundar-me.
É isso.
Não é?

Já só me resta a beleza do vento                               mas só se não se souber.

É. Ficarei tão pequenina que não aguentarei uma corrente de ar.
Terei de fechar as janelas para poder inventar liberdade.
Os vidros são duplos, mas não aguentarão.

Não aguentarei.
Xuuu…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: